Uma reflexão sobre o novo Coronavírus


share close

2020 começou turbulento, esse tema é assunto nos jornais no mundo todo, vários sites trazem novidades e números atualizados sobre novas infecções pelo Coronavírus. Até o dia de hoje, já estão confirmadas 361 mortes e mais de 17.200 infectados.

Mas você deve estar se questionando “o que eu, cidadão brasileiro, tenho a ver com isso?”.

Gostaríamos de trazer algumas informações e uma breve reflexão sobre esse assunto que vem assombrando não só a população chinesa, mas todo o mundo.

O vírus surgiu na cidade chinesa de Wuhan, supostamente num pequeno mercado onde se comercializa diversos animais silvestres vivos e a carne deles. Nesses mercados apertados e úmidos, os animais são abatidos e esfolados na frente dos clientes.

Segundo especialistas, a maioria dos que foram infectados e hospitalizados pela primeira vez eram “trabalhadores ou clientes de um mercado atacadista local de frutos do mar, que também vendia carnes processadas e animais “consumíveis” vivos, incluindo aves, burros, ovelhas, porcos, camelos, raposas, texugos, ratos, ouriços, cachorros e répteis. ”

Uma reportagem publicada recentemente no britânico The Guardian descreveu o cotidiano em um mercado de Wuhan, e abordou a preferência dos chineses por comprar carne fresca e recém-abatida nos açougues locais em vez de recorrer aos ambientes mais “ocidentalizados”, onde é possível consumir carne refrigerada ou congelada.

Esse hábito é, segundo os especialistas entrevistados, um fator que torna praticamente impossível o controle de doenças, uma vez que essa demanda significa, na prática, uma grande circulação de animais vivos em ambientes propícios à propagação de vírus e bactérias.

Zoonoses

O novo Coronavírus definitivamente não é o primeiro vírus transmitido para humanos através do consumo desenfreado de animais. Dentre problemas já conhecidos, podemos citar: a gripe suína, gripe aviária, o mal da vaca louca, ebola, HIV, etc.

70% das novas doenças que surgiram em seres humanos nas últimas décadas são de origem animal e, em parte, diretamente relacionadas à busca humana por mais alimentos de origem animal.

“Não podemos lidar com a saúde humana, a saúde animal e a saúde do ecossistema isoladamente – precisamos analisá-los juntos e abordar os fatores que motivam o surgimento, a persistência e a disseminação da doença, em vez de simplesmente lutar contra doenças depois que surgem “.

Disse Ren Wang , Diretor Geral Assistente da FAO.

Há anos, os cientistas alertam que fazendas imundas cheias de animais doentes são criadouros de novas “superbactérias” resistentes a antibióticos. Alguns estudos afirmam que até 2050, mais pessoas estarão morrendo de doenças resistentes a antibióticos do que de câncer.

Os coronavírus são doenças zoonóticas, o que significa que se espalham para as pessoas a partir de animais. Como os mercados úmidos colocam pessoas e animais vivos e mortos – cães, galinhas, porcos, cobras e mais – em contato próximo, pode ser fácil para um vírus fazer saltar uma interespécie.

“Mercados de animais vivos mal regulamentados, misturados ao comércio ilegal de animais silvestres, oferecem uma oportunidade única de os vírus se espalharem dos hospedeiros para a população humana”.

Afirmou a Sociedade de Conservação da Vida Selvagem.

Reflexão

Enquanto nós, consumidores, continuarmos sustentando a indústria da exploração, da criação de animais em larga escala, doenças e vírus continuarão surgindo cada vez com mais frequência. As zoonoses são um problema grave de saúde pública, e depende de NÓS mudarmos a demanda por produtos de origem animal, para que assim, a produção e exploração de animais para consumo humano reduza drasticamente.

Te convidamos a refletir sobre esse assunto e pensar em como a sua decisão como consumidor pode ser impactante! A mudança de hábitos alimentares pode parecer irrelevante, porém, ela impacta severamente para a sua saúde, para vida dos animais e para o planeta.

A mudança começa pequena… ela vêm de dentro. A gente muda, e o mundo muda com a gente.

Referências:
https://www.sciencemag.org/news/2020/01/wuhan-seafood-market-may-not-be-source-novel-virus-spreading-globally

https://www.businessinsider.com/wuhan-coronavirus-sars-bats-animals-to-humans-2020-1

https://www.peta.org/blog/coronavirus-go-vegan-now/

http://www.fao.org/news/story/en/item/210621/icode/

1º de Novembro: Dia Mundial Do Veganismo


share close

O Dia Mundial do Veganismo surgiu, em 1994, durante a comemoração dos 50 anos da fundação da The Vegan Society (Sociedade Vegana) do Reino Unido, a instituição vegana mais antiga do mundo e responsável pela oficialização do termo “vegan” (“vegano”).

Hoje comemoramos esse movimento, que vai muito além de uma dieta ou escolha alimentar. Veganismo é um ato político, social e principalmente de AMOR.

Veganos excluem qualquer tipo de violência, exploração, e sofrimento animal da alimentação. E buscam, na medida do possível e praticável, excluir toda exploração de suas vidas, seja na vestimenta, cosméticos, produtos de limpeza, entretenimento etc.

Mas muito além disso, ser vegano é praticar diariamente o ato de COMPAIXÃO por seres que não tem voz perante à sociedade. É dizer BASTA à exploração. É ter atitude e enfrentar uma sociedade que está cega (em sua maioria), pois não tem a consciência de que animais também sentem dor, medo, angústia, e querem assim como nós, felicidade e liberdade.

O veganismo busca a libertação animal, mas além disso, almeja também a libertação da humanidade, pois liberdade só se conquista estando à luz da verdade e da informação. Enquanto a sociedade continuar na escuridão da negação (negando a realidade dos abatedouros e do sofrimento animal), continuaremos caminhando na mesma direção.

Te convidamos a aproveitar essa data tão importante e refletir sobre todo sofrimento causado à seres vulneráveis! Dê uma chance ao veganismo ou vegetarianismo… aproveite para escutar nosso episódio que fala sobre o tema! Além de benefícios para a saúde, o veganismo beneficia os animais e o planeta!

#GOVEGAN

1º Outubro: Dia Mundial do Vegetarianismo


share close

Olá, pessoal! Tudo bem?
Muitos já devem ter visto nas redes sociais que hoje, dia 01/10 é o Dia Mundial do Vegetarianismo.
Nós, do VeggieCast não podíamos deixar esse dia tão especial passar em branco por aqui…

Essa data foi instituída em 1977, e tem como principal objetivo divulgar os ideias do vegetarianismo e claro, incentivar cada vez mais pessoas à tirarem a crueldade animal de seus pratos.

Por isso, viemos lembrar que NUNCA É TARDE PRA MUDAR!

Se você ainda come animais, mas tem vontade de parar, vá com calma, sabemos que pode não ser fácil no começo. Mas não desista! Dia após dia, vá eliminando aos poucos o consumo de carnes, uma ou duas vezes por semana… e quando se sentir pronto, elimine por completo todo o tipo de crueldade animal!

Se você já é vegetariano ou vegano, ótimo!! Só não esqueça de continuar sempre inspirando as outras pessoas, de uma forma leve, mostrando que é possível se alimentar bem (sem nenhuma deficiência nutricional) e sem comer animais <3

Seguimos, com cada vez mais certeza de que essa é a melhor escolha, pelos animais, plas pessoas, e pelo planeta! GO VEGAN!

Benefícios da Cúrcuma


share close

Fizemos uma enquete no Instagram perguntado se vocês conheciam os benefícios do Açafrão da Terra, ou Cúrcuma, e a maioria das pessoas respondeu que não! Então, resolvemos fazer esse post falando um pouco mais sobre essa raiz maravilhosa!

Nos últimos anos, foram publicados mais de cinco mil artigos na literatura médica sobre a curcumina, o pigmento da Cúrcuma que lhe dá a cor amarela intenso,

Através de estudos in vitro (tubos de ensaio em laboratório), pesquisadores estudaram a curcumina e verificaram que ela possui efeito antimutagênico contra substâncias cancerígenas. Ou seja, tem capacidade de prevenir e/ou impedir o crescimento de células de câncer. Isso acontece pois essa especiaria contém bloqueadores carcinógenos, antioxidantes e antiproliferativos, capazes de prevenir o desencadeamento da mutação do DNA e assim, impedindo que os tumores cresçam e se espalhem.

Num estudo duplo-cego de 16 semanas, verificou-se que o Açafrão ajudou a diminuir os sintomas do mal de Alzheimer. Os pacientes com Alzheimer cujo grau de demência era de leve a moderado e que tomaram cápsulas de Açafrão mostraram em média uma função cognitiva significativamente melhor do que a de um grupo de pacientes que fez uso de um placebo.

A curcumina parece ser capaz de reverter mudanças pré-malignas no câncer de cólon e, em estudos de laboratório, mostrou-se eficiente contra células de câncer de pulmão e pâncreas.

Ela também pode ser eficiente no tratamento de doenças inflamatórias intestinais, e ajuda a acelerar a recuperação após cirurgias.

Como consumir Cúrcuma?

Em pó (cúrcuma ou curry), polvilhada na comida pronta, dissolvida no azeite extravirgem para temperar a salada ou junto com outros temperos em qualquer preparação. Outra opção é bater um pedaço da raiz fresca no suco.

Dicas para potencializar a aborção da Cúrcuma:
1 – Acrescente uma pitada de pimenta-do-reino nas preparações!
2 – Servir junto com uma fonte de gordura!

Quem não deve consumir Cúrcuma?

Apesar de apresentar efeitos positivos para PREVENIR esse tipo de patologia, nos casos de quem já sofre de cálculo biliar, a Cúrcuma pode desencadear dor, então deve ser evitada.

————————————————————————————————

Se você ainda não tem o hábito de consumir a Cúrcuma, está esperando o que?! Haha Espero que essas informações tenham sido úteis para, e caso tenham dúvidas, podem entrar em contato!

Fonte: Comer para não morrer: conheça o poder dos alimentos capazes de prevenir e até reverter doenças / Michael Greger – 1 ed Rio de Janeiro, 2018

ONU pede mudanças na forma como o mundo produz e consome alimentos


share close

Com a previsão de que a população mundial chegará a quase 10 bilhões em 2050, um novo relatório mostra que o sistema global de alimentos deve passar por mudanças urgentes para garantir que haja comida adequada para todos, sem destruir o planeta.

O relatório pede ajustes significativos na produção de alimentos, bem como mudanças no consumo das pessoas. Desde o manejo da pesca silvestre até a quantidade de carne a ser consumida, o relatório fornece aos formuladores de políticas, empresas e pesquisadores um roteiro abrangente sobre como criar um sistema alimentar sustentável da fazenda até o prato.

“Milhões de agricultores, empresas, consumidores e todos os governos do planeta terão que fazer mudanças para enfrentar o desafio alimentar global. Em todos os níveis, o sistema alimentar deve estar vinculado a estratégias climáticas, bem como proteções do ecossistema e prosperidade econômica”, disse Andrew Steer, presidente e CEO do World Resources Institute. “Embora a escala do desafio seja maior do que se imagina, as soluções que identificamos têm um potencial maior do que muitos imaginam. Há razão para ter esperanças de que podemos alcançar um futuro sustentável em alimentos”.

“A oportunidade de transformar o sistema alimentar não deve ser ignorada. Recompensar os fazendeiros por produzir alimentos mais diversificados e nutritivos de uma maneira muito mais sustentável ajudará a aumentar sua renda e criar empregos, construir sociedades mais saudáveis, reduzir as emissões de gases de efeito estufa e apoiar a recuperação dos serviços ecossistêmicos essenciais”, disse Laura Tuck, vice-presidente de Desenvolvimento Sustentável no Banco Mundial.

Veja a notícia completa em: https://nacoesunidas.org/relatorio-da-onu-pede-mudancas-na-forma-como-o-mundo-produz-e-consome-alimentos/

FONTE: ONU (https://nacoesunidas.org/)

CMA aprova projeto que inclui direitos dos animais na legislação nacional


share close

A Comissão de Meio Ambiente (CMA) aprovou nesta quarta-feira (10) o projeto de lei que classifica os animais como sujeitos de direitos, com acesso a tutela jurisdicional. Segundo o PLC 27/2018, os animais não poderão mais ser tratados como objetos inanimados. O texto segue para o Plenário.

O projeto é do deputado Ricardo Izar (PP-SP). Com ele, os animais passam a possuir natureza jurídica sui generis, como sujeitos de direitos despersonificados. Também passam a ser reconhecidos como seres sencientes, ou seja, dotados de natureza biológica e emocional e passíveis de sofrimento.

O texto também acrescenta dispositivo à Lei dos Crimes Ambientais (Lei 9.605, de 1998) para determinar que os animais não sejam mais considerados bens móveis para fins do Código Civil (Lei 10.402, de 2002).

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), que foi o relator do projeto, destaca que a nova lei não afetará hábitos de alimentação ou práticas culturais, mas contribuirá para elevar a compreensão da legislação brasileira sobre o tratamento de outros seres.

— É uma elevação de status civilizatória. Não há possibilidade de pensarmos na construção humana se a humanidade não tiver a capacidade de ter uma convivência pacífica com as outras espécies. Eles devem ser tratados com dignidade — afirmou.

O projeto seguiria para a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), mas a CMA aprovou requerimento de Randolfe para o seu envio direto ao Plenário, em regime de urgência.

Fonte: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2019/07/10/cma-aprova-projeto-que-inclui-direitos-dos-animais-na-legislacao-nacional